quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Nova ‘Serra Pelada’ em Mato Grosso atrai milhares de garimpeiros à procura de ouro

Uma área localizada no município de Aripuanã (704 km ao Norte de Cuiabá) está sendo considerada a “Nova Serra Pelada”. Há cerca de um mês, milhares de garimpeiros exploram o local na corrida pelo ouro. 


A região, que ainda não foi divulgada oficialmente, está localizada há 11 km da cidade. O novo “eldorado” mato-grossense já era comentado na cidade, mas só veio ao grande público no Estado por meio das redes sociais. 
Um garimpeiro postou fotos com maquinários fazendo a escavação da terra, e outras imagens que aparentemente parecem ser ouro. “Nova Serra Pelada em Aripuanã”, descreveu.




Em Mato Grosso, está não é a primeira vez que garimpeiros fazem a descoberta do ouro. No mês de maio de 2015, vários homens exploraram a Serra da Borda, no município de Pontes e Lacerda (443 km de Cuiabá). Naquela ocasião, o local gerou muito dinheiro para aqueles que chegaram primeiro, antes da operação de retirada por parte do Governo do Estado.



No mês de novembro de 2015, houve a primeira participação das forças de segurança para que fossem retirados os garimpeiros que se alojaram no local para exploração da Serra. 
Além da retirada pelos garimpeiros estarem agindo de forma ilegal, sem regularização, o deslizamento de terra em parte de uma escavação deixou feridos, o que fortaleceu a ação de remoção de todos que se encontravam na localidade. 
No entanto, até 2017, a área de garimpo ilegal foi invadida outras quatro vezes. A última invasão levou mais de três mil pessoas para o garimpo. 


Para que uma área de garimpo seja considerada legal, é necessário que o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), regularize o local, dando a licença para exploração do ouro para garimpeiros da região, se organizariam em cooperativas.
A organização de garimpeiros em cooperativas já é realidade em outros municípios, como em Peixoto de Azevedo (692 km de Cuiabá). A implantação da Cooperativa de Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto (COOGAVEPE), conta com mais de quatro mil cooperados, é apontada como um dos fatores que contribuíram para a evolução da economia na região.

FONTE: FOLHA MAX

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

ORINOCO ENCONTRA 840 G/T DE OURO NO PROJETO CASCAVEL








A Orinoco Gold afirmou na última segunda-feira (07/07) que os primeiros resultados da rampa de exploração do projeto de ouro Cascavel, em Goiás, apontaram uma interseção de 0,5 metros com teor de 842 g/t de ouro, ou 21 onças por tonelada, entre 17,34 e 17,72 metros, confirmando o alto teor do projeto. Cascavel faz parte do projeto polimetálico Faina Goldfields.





Os resultados, junto com a sondagem anterior, trincheiras e amostragem de grande volume, apontaram potenciais zonas de cisalhamento, com mineralizaçao de ouro próxima à superfície, permitindo desenvolver um projeto de alto teor e baixo custo. Segundo a Orinoco, a mineralização parece aumentar de teor e espessura ao longo da direção sul do corpo mineral.


De acordo com a mineradora, os resultados apontaram também uma interseção de 5,73m @ 113,3 g/t de ouro, ou 3,6 oz/t, entre 12,43 e 18,16 metros, incluindo 2,46 m @ 239,4 g/t de ouro, ou 7,7 oz/t, a partir de 15 metros. Um outro ensaio retornou 282 g/t Au, com quantidade significativa de ouro em metros subsequentes, mas que ainda não foram analisados.


A Orinoco afirmou que continuará a exploração em Cascavel para encontrar novos alvos de alto teor de ouro e para avaliar o desenvolvimento do método de mineralização ideal para a área, incluindo uma possível mina a céu aberto para extrair o minério superficial.


Segundo o diretor da empresa, Mark Papendieck, a exploração tem sido eficaz no fornecimento de informações precisas. “Estes resultados, juntamente com as informações que adquirimos a partir da sondagem e amostragem de grande volume, confirmam que Cascavel é um sistema de ouro de alta qualidade com excelente potencial para desenvolvimento no curto prazo “, disse.


“Continuamos a ser surpreendidos com a extensão da mineralização de alto teor tão perto da superfície, passível de extração por meio de métodos de baixo custo. Assim, continuarmos a avaliar os potenciais cenários de mineração subterrânea possíveis com os nossos acordos de licenciamento existentes e os resultados estão mostrando que há um grande potencial para mineração a céu aberto em Cascavel”, afirmou Papendieck.


O Projeto Cascavel faz parte de uma região de produção de ouro emergente, dentro da área do projeto polimetálico Faina Goldfields.A Orinoco Gold controla 70% de Faina Goldfields. Os outros 30% pertencem à Centaurus Metals. Fora do Brasil, a Orinoco detém o projeto de ouro 14 Mile Well, em Western Australia.

FONTE:GARIMPO NOTICIAS BLOG